1. Em 1910, Virginia Woolf e seus amigos se disfarçaram de príncipes abssínios, com direito a barbas falsas, e fizeram uma visita à Marinha Real Britânica, enganando os oficiais e ganhando uma visita guiada de 40 minutos em um navio. A pegadinha foi noticiada em jornais da época;

2. Sabe o que “Aladdin”, “Ali Baba e os 40 Ladrões” e “As aventuras de Simbad” têm em comum? Nenhuma delas faz parte do texto original de “As Mil e Uma Noites”, tendo sido inventadas e inseridas no livro pelo primeiro tradutor das noites, Antoine Galland;

3. O livro “O dia do gafanhoto”, de Nathanael West, foi escrito em 1939 e possui um personagem chamado Homer Simpson. Porém, é apenas uma coincidência e não inspirou Matt Groening na criação de “Os Simpson”;

4. O autor Ray Bradbury é descendente de uma das Bruxas de Salem, Mary Perkins Bradbury, que conseguiu escapar antes de ser enforcada, em 1962;

5. Reza a lenda que Ernest Hemingway uma vez removeu o mictório do seu bar favorito e levou para casa. Na ocasião, argumentou que havia urinando tanto “dinheiro” naquela peça que ela já pertencia a ele;

6. A peça teatral “As Mulheres na Assembleia”, de Aristófanes, possui a maior palavra do idioma grego e também da literatura mundial, composta por 117 letras: Lopado­­temacho­­selacho­­galeo­­kranio­­leipsano­­drim­­hypo­­trimmato­­silphio­­parao­­melito­­katakechy­­meno­­kichl­­epi­­kossypho­­phatto­­perister­­alektryon­­opte­­kephallio­­kigklo­­peleio­­lagoio­­siraio­­baphe­­tragano­­pterygon. O significado? Esse é o nome de um prato fictício apresentado na peça;

7. Bloqueio para escrever? Você pode tentar a técnica usada por D. H. Lawrence para se estimular: escalar uma amoreira completamente nu.

Fonte: Interesting Literature