Deixar o vinho tinto arejar é uma prática recomendada por sommeliers do mundo todo. Enquanto a bebida é despejada em um decanter, jarro especialmente desenvolvido para esse fim, as substâncias voláteis do vinho evaporam e o líquido recebe mais oxigênio, tornando o vinho “mais expressivo, aromático e melhor integrado”, nas palavras da Wine Spectator.

Muitos profissionais aconselham que o vinho fique em repouso de duas a três horas antes de ser servido. Por isso, alguns apressadinhos recorrem a métodos capazes de acelerar esse processo, como o uso de um liquidificador, por exemplo. Independentemente de isso ser ou não aconselhável, a técnica pode ser usada também para melhorar o sabor dos vinhos servidos em aviões: a altitude e o ar seco das cabines costumam deixar a bebida mais alcóolica e amarga.

Portanto, ao receber aquela garrafinha plástica de vinho, abra-a e despeje um pouquinho no copo. Beba aquele pequeno gole, por pior que esteja. Depois, tampe a garrafa e certifique-se que ela está bem lacrada. Agite-a de 40 a 60 segundos, como se estivesse sacudindo uma embalagem de iogurte. E pronto: você já tem um vinho arejado para degustar durante a viagem.

Talvez seja bom avisar o passageiro sentado ao lado ou ao menos certificar-se de que não vai assustá-lo ou sacudir todos os assentos da fileira junto com a garrafinha. Afinal, depois de tanto requinte, você não vai querer bancar o indelicado, certo?

Fonte: Quartz, Wine Spectator, yanofsky/Instagram