“Plim-plim!” Como uma única nota repetida duas vezes se tornou marca registrada da maior emissora de TV do Brasil? Em 1972, a Globo queria uma vinheta simples para rodar entre a programação. Mais que isso, eles buscavam algo que sugerisse o conceito de moderno, de futuro. Foi então que contrataram o tecladista Luiz Simas, um dos poucos músicos na época que tinha um sintetizador.

O trabalho custou o equivalente a R$ 1.000 e Simas nunca ganhou nem um centavo de royalties em cima disso – embora afirme ter conversado com alguns advogados a respeito. O “plim-plim” ganhou o mundo e Simas nem o crédito levou. Ex-integrante de bandas como Vímana e Módulo 1.000, hoje o músico faz alguns trabalhos com música brasileira no exterior e trabalha como intérprete no sistema judiciário e em tribunais de imigração.

Fonte: Trip

Leave a Reply

Your email address will not be published.