Muita vezes, o ataque cardíaco chega silenciosamente e acaba sendo fatal. Mas saiba que algum tempo antes de o ataque cardíaco acontecer, o corpo humano envia alguns sinais que indicam que algo não vai bem com o seu coração. Os principais sintomas de que um ataque cardíaco está a caminho são quatro:

  1. Dor no peito: esse é, sem dúvida, o sintoma principal de que um ataque cardíaco pode acontecer em breve. E nem sempre é simples reconhecer, porque a dor no peito pode se manifestar de pelo menos três formas diferentes. Há a dor que atinge o peito como um todo, uma que começa do lado esquerdo ou no centro do peito e outra que pode se iniciar na mandíbula e irradiar pelo braço esquerdo;
  2. Fôlego curto: por mais que o peito não esteja doendo, um respirar curto demais pode ser sintoma de que algo vai mal. Esse comportamento pode acontecer pouco tempo antes do ataque cardíaco, ou, então, durante o próprio ataque;
  3. Indigestão ou azia: muitas vezes a dor no peito é sentida na forma de indigestão ou azia, com direito à famosa “queimação” estomacal. A explicação para isso é o fato de que coração e estômago estão tão próximos um do outro que o cérebro pode se confundir em relação aos sinais enviados para ele; e
  4. Vômito e náusea: pode acontecer isoladamente ou em conjunto e, apesar de não pensarmos em vômito ou náusea como sintoma de problema cardíaco, não é nada raro que pacientes relatem esse tipo de queixas.
Sintomas de ataque cardíaco

(Fonte da imagem: Women Planet)

Além desses sintomas principais, há outros menores, que ajudam a dar mais dicas sobre o quadro, como tontura, suor em excesso, batimento cardíaco irregular, desmaios ou a sensação de estar um pouco “aéreo” ou fraco.

É claro que muitos desses sintomas são vagos demais e podem representar alguma condição bem menos séria, mas caso eles comecem a aparecer em conjunto, é bom ficar atento e procurar um profissional da área da saúde para avaliar melhor seu quadro. Afinal, quanto mais cedo procurar tratamento, maiores são as chances de sobreviver ao ataque cardíaco.

Fonte: WRWR, Dr. Chauncey Crandall